Notícias

notícias

Notícia

Tecnologia e Gestão

Serpro obtém certificação máxima em indicador de governança estatal

Empresa alcançou o Nível 1 de melhores práticas de mercado e níveis de excelência praticados em gestão, riscos, compliance e governança
Serpro obtém certificação máxima em indicador de governança estatal
por Comunicação Institucional do Serpro — 05 de junho de 2018

O diretor-presidente em exercício do Serpro, Iran Porto Júnior recebe o certificado das mãos do Ministro do Planejamento, Esteves Colnago Júnior.

O Serpro está entre as sete melhores empresas públicas da esfera federal, de um universo de 46 avaliadas, na 2ª Edição do Indicador de Governança IG-Sest do Ministério do Planejamento, ocorrida em 11 de maio deste ano. A certificação equivale a um selo de qualidade em governança e afere o nível de conformidade com as melhores práticas de mercado e os níveis de excelência praticados por essas instituições. São avaliados, semestralmente, itens de gestão, riscos, compliance e governança. 

De acordo com o Ministério do Planejamento, o objetivo da certificação é apoiar e promover iniciativas para que todas as empresas possam estar integralmente adequadas à Lei 13.303, de 2016, conhecida como a Lei das Estatais.

“O fortalecimento das empresas estatais é importante não somente para o governo, é importante para o país, é importante para os mercados, é importante para os funcionários que atuam nelas”, enfatizou o ministro do Planejamento Esteves Colnago Júnior durante a solenidade de certificação.

Em apenas um semestre, o Serpro avançou nas práticas de governança e alcançou a nota de 9,5, no nível mais alto da certificação, ficando a apenas 0,5 pontos do primeiro colocado, o Banco do Brasil.

A diretora de Governança e Gestão do Serpro, Izabel Freitas, destacou que o Serpro divide posição com grandes estatais federais, atuando no mesmo patamar de empresas que são referência em seus mercados. A conquista é significativa principalmente se compararmos o Serpro às empresas de economia mista, que têm acionistas privados, minoritários, e têm obrigações com o mercado de capitais que já exigiam, há muito tempo, um alto nível de maturidade de governança.

Contato