Notícias

notícias

Notícia

Smart Cities

Soluções do Serpro contribuem para cidades inteligentes

Tecnologias foram apresentadas em evento de infraestrutura de transportes para garantir sustentabilidade no ecossistema urbano do futuro
smartcities.jpg
by Comunicação Institucional do Serpro — 01 de december de 2019

Uma cidade inteligente enfatiza o uso da tecnologia digital para assegurar a qualidade de vida de seus moradores

O conceito de cidade inteligente, já bem consolidado no meio acadêmico e empresarial,  é fundamental quando se fala em desenvolvimento sustentável. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o mercado global de soluções tecnológicas para o tema é estimado em mais de 400 bilhões até 2020. Neste contexto, o Serpro apresentou seus sistemas como exemplos que contribuem para esse desenvolvimento sustentável, durante o 21º Encontro Nacional de Conservação Rodoviária (Enacor), encontro das indústrias de infraestrutura para transportes, que aconteceu, em Brasília, dos dias 26 a 29 de novembro.

O 21º Enacor foi promovido pela Associação Brasileira dos Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagens (ABDER), juntamente com a BMComm – Brazilian Media Communications e o Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal – DER/DF. A iniciativa reuniu cerca de 1.500 pessoas, incluindo 27 Departamentos de Estradas e Rodagens (DER), representantes de municípios e órgãos de governo para debaterem temas envolvendo tecnologia, logística multimodal, trânsito, mobilidade, rodovias e pavimentação.

Cidade Inteligente

Mas o que é mesmo uma cidade inteligente? O analista e gerente do Serpro para negócios de governos estaduais e municipais, Anderson Germano, explica: “Uma cidade inteligente é um ecossistema urbano, que coloca ênfase no uso da tecnologia digital, conhecimento compartilhado e processos coesos para sustentar benefícios do cidadão em vetores como mobilidade, segurança, saúde e produtividade”. Ao apresentar as soluções de trânsito desenvolvidas pelo Serpro na palestra Smart Cities, Germano ressaltou que "as cidades inteligentes garantem o desenvolvimento econômico com aumento da qualidade de vida e eficiência nos serviços".

Segundo Germano, uma cidade inteligente usa a tecnologia da informação e comunicação (TIC) para melhorar sua habitabilidade, trabalhabilidade e sustentabilidade. “Primeiro se coleta informações através de sensores e de outros dispositivos que comunicam esses dados através de redes com ou sem fio, que serão então analisados para se entender o que está acontecendo agora e o que provavelmente acontecerá num futuro próximo. Uma cidade inteligente é autoconsciente e se conecta com seus cidadãos. Não precisamos perguntar se uma rua está congestionada, porque a rua irá relatar sua condição. Assim como a rede inteligente de água detecta e relata vazamentos assim que ocorrem”, explicou ele.

Soluções do Serpro

As soluções de trânsito do Serpro podem contribuir com as cidades inteligentes como, por exemplo, o Radar, que provê solução centralizada, integrada e informatizada para a gestão dos processos administrativos decorrentes de infrações de trânsito e o Validador Cognitivo de Infrações de Trânsito (VCIT), módulo do Radar para reconhecimento de carros e Optical Character Recognition (OCR) de placas. É nesse cenário que o Serpro atua para possibilitar o desenvolvimento tecnológico das cidades e estados.

Além disso, há outras soluções, como a Plataforma Serpro de IoT, para integrar as diversas fontes de dados capturados pelos dispositivos espalhados pelas cidades, e a Plataforma Serpro de Soluções Analíticas (PSA), para criação de um Data Lake onde estes dados possam ser correlacionados e aplicado inteligência artificial para analisar dados do passado e do presente e construir predições para o futuro. E, ainda, o GovData, que potencializa as informações geradas com os dados governamentais disponíveis, ajudando, assim, a criação de políticas públicas voltadas para o cidadão.

Modelo de Negócio Compartilhado

Germano explica ainda que, com o ecossistema de trânsito desenvolvido pelo Serpro, é possível a exploração da cadeia produtiva para monetização de estados e municípios, que podem até mesmo chegar a custo zero para os contratantes do serviço. "O modelo de negócio Global do Radar, prevê a redução do valor cobrado por infrações processadas conforme a adesão do produto por outros órgãos autuadores, com isto, o preço da infração que era cerca de R$ 10,00 no início da comercialização do produto hoje já está em R$ 8,20, com perspectivas de redução a curto prazo" completa.

Conheça mais sobre as soluções de trânsito do Serpro no catálogo de produtos.

Contato