Notícias

Geral

Hackathon Serpro

Seis sistemas e 30 horas de programação

por Comunicação Empresarial do Serpro — 19 de dezembro de 2016
Hackathon Serpro aconteceu dias 16, 17 e 18 e trouxe a proposta de estimular o desenvolvimento de soluções que integram governo e cidadão
Vencedores do Hackathon Serpro

Depois de três dias de palestras e 30 horas de programação, terminou neste domingo, 18, o Hackathon Serpro. A equipe Pão de Queijo com Pimenta, do Distrito Federal, foi a grande vencedora da primeira maratona de programação da empresa. A solução vencedora traz um chatbot que traduz o "juridiquês" e aproxima o cidadão dos seus direitos. “A ideia é informar os cidadãos sobre seus direitos de forma simples, direta e casual”, afirmaram os dois integrantes da equipe, o casal Marcelo Cristiano Araújo e Ludimila Cruz. Eles receberam o prêmio de R$ 6 mil reais.

O segundo lugar foi conquistado pela Cognitive Solutions, do DF, que trouxe um sistema que visa aumentar a eficiência do Procon. Para isso foi criou o Robocon, robô virtual que reconhece texto, voz e gera número de protocolos e envia e-mails para o consumidor. Os participantes André Estuqui, Michael Rodrigues, Glauber Pereira e Luiz Geraldo Medeiros ganharam o prêmio de R$ 4 mil.

A terceira posição ficou para a equipe Rocket.Chat, do Rio Grande do Sul, que criou uma solução que traz uma janela de assistência que pode funcionar dentro dos diversos sítios do governo. A equipe formada por Diego Aguilera, Rodrigo do Nascimento e Anderson dos Santos recebeu R$ 2 mil.

As outras equipes, TeamRecife, Big Bird e Govy trouxeram, respectivamente, uma solução voltada para o microempreendedor, um sistema para o Portal do Consumidor e uma ferramenta que tira dúvidas nas declarações do imposto de renda. Todos os programas serão disponibiizados para o público em geral no portal para desenvolvedores GitHub.

Palestras

As palestras do Hackathon foram especialmente voltadas para a realidade dos jovens desenvolvedores. A ideia foi trazer o contexto das transformações digitais no mundo e nos governos, o impacto social dessas ações e a trajetória do empreendedor. A primeira a falar foi a doutora em Ciência da Computação Cláudia Melo. Para ela, devido a fenômenos como a hiperconectividade e o processamento em larga escala, vivemos uma fase de oportunidades únicas para a solução de velhos problemas. “Estamos no epicentro de uma revolução”, avaliou Cláudia.

No segundo dia do evento, o jornalista Guilherme Portanova falou sobre empreendedorismo social. A ideia foi apresentar uma nova perspectiva de negócios, que prioriza a solução de problemas comunitários. “Neste modelo, identificamos primeiro um desafio e, então, buscamos uma solução, um impacto. O lucro aqui não é um fim, mas um meio para se atingir um resultado”, explicou Portanova. Empresas como o como o Dr. Consulta e a Solar Ear foram exemplos de instituições lucrativas e, ao mesmo tempo, socialmente eficazes.

O ciclo de palestras foi finalizado com uma apresentação do engenheiro Andrés Froés. Ex-empregado do Serpro e fundador de uma aceleradora de startups, Froés discorreu sobre a “jornada do empreendedor”, uma espécie de linha do tempo com fases que vão desde a concepção da empresa até a liderança do mercado.

Confira aqui as fotos do Hackathon Serpro.

Assista à reportagem sobre a maratona de tecnologia

Contato